Europeus preocupados com isqueiros perigosos

15 mar, 2011, 08:36 GMT De BIC Group

CLICHY, France, March 15, 2011 /PRNewswire/ -- A BIC, fabricante líder de artigos de papelaria, isqueiros e lâminas de barbear, em conjunto com a consultora internacional independente APCO Insight, apresentou hoje um novo estudo onde revela que 87% dos europeus estão preocupados coma venda deisqueiros de bolso considerados extremamente perigososem todoo continente europeu. Estes isqueiros já foram banidos de alguns países.

Para ver o Release de Notícias de Multimídia, acesse: http://multivu.prnewswire.com/mnr/prne/bic/48884/

Segundo dados avançados pela Comissão Europeia, cerca de 40 pessoas morrem e 1900 ficam feridas anualmente na Europa - na maioria crianças - devido a acidentes com isqueiros. Quase 75% dos modelos de isqueiros testados pelo PROSAFE não cumprem as normas de segurança exigidas, apesar dos esforços legais que estão a ser feitos pela Comissão Europeia com vista à diminuição desta ameaça. A grande maioria destes isqueiros é importada.

A gravidade deste problema não é igual em todos os países, uma vez que alguns já foram capazes de criar políticas de fiscalização mais rígidas, conseguindo assim fazer cumprir as regras de segurança impostas pela Comissão Europeia.Quase metade dos consumidores inquiridos mostra-se "Muito Preocupado" com o facto de isqueiros de bolso proibidos noutros países, alguns causadores de ferimentos graves e mesmo de morte, estarem livremente à vendas nos seus países. Do total, 64% defendeu que todos os isqueiros vendidos na União Europeia deviamestar em conformidade com os requisitos de segurança.

Stephen Russell, secretário-geral da ANEC, instituição europeia que representa os interesses dos consumidores na standardização, lembrou que <<os isqueiros potencialmente perigosos continuam a chegar facilmente às mãos dos consumidores>>. <<A ANEC defende a criação de uma estrutura europeia que consiga garantir uma maior e melhor coordenação de todas as políticas de vigilância e fiscalização das várias actividades do mercado existentes nos vários Estados-membros.Enquanto isto não acontece, pedimos apenas aos distribuidores e aos retalhistas que controlem a qualidade dos produtos que vendem>>, sublinhou.

Os resultados deste estudo revelaram ainda outros dados surpreendentes.Quase dois em cada três entrevistados (63%) acredita que mais de 50% dos produtos importados à venda na Europa são controlados na alfândega. No entanto, as autoridades revelaram que menos de 1%dos bens não alimentares são alvo de controlo à chegada.

Este estudo surge após a Comissão Europeia ter dado 10 semanas (de acordo com os procedimentos da União Europeia) à Food and Consumer Product Safety Authority (SVA), na Holanda, para explicar a sua política de fiscalização relativamente aos isqueiros importados através do Porto de Roterdão, no seguimento de uma queixa apresentada pela BIC.

François Clement-Grandcourt, director-geral adjunto da divisão de isqueiros BIC, disse: <<Na América-do-Norte houve uma redução de 60% nas lesões provocadas em crianças quando a lei foi devidamente aplicada.Isto significa que todos temos a obrigação moral de retirar os isqueiros perigosos dos nossos mercados>>.

FONTE BIC Group