Navio naufragado Vasco da Gama descoberto

15 mar, 2016, 09:00 GMT De Oman’s Ministry of Heritage & Culture (MHC) and Blue Water Recoveries Ltd

MASCATE, Omã e LONDRES, March 15, 2016 /PRNewswire/ --

Um navio português naufragado numa ilha remota do Sultanato de Omã em 1503 é o mais antigo navio das Descobertas a ser encontrado e cientificamente investigado por arqueólogos  

O Ministério do Património e da Cultura de Omã (MPC), em colaboração com a empresa britânica Blue Water Recoveries Ltd. (BWR), anuncia a descoberta e a escavação arqueológica de um navio português que fazia a carreira da Índia, e que estava incluído na armada de Vasco da Gama com destino à Índia, em 1502-1503. O navio, que naufragou em 1503 durante uma tempestade ao largo da ilha Al Hallaniyah na região Dhofar de Omã, é o navio mais antigo das Descobertas a ser encontrado e cientificamente investigado por uma equipa de arqueólogos e outros peritos.


     (Photo: http://photos.prnewswire.com/prnh/20160311/343235 )
     (Photo: http://photos.prnewswire.com/prnh/20160311/343236 )

Os detalhes sobre o local do naufrágio, publicados hoje no International Journal of Nautical Archaeology, revelam que o navio será provavelmente a Nau Esmeralda, comandada por Vicente Sodré, tio materno de Vasco da Gama e descendente do nobre britânico Frederick Sudley, de Gloucestshire. Um site com imagens e vídeos de alta resolução da escavação também foi lançado hoje: (http://esmeraldashipwreck.com)

O local do naufrágio foi inicialmente descoberto pela BWR em 1998, no 500o aniversário da épica descoberta de Vasco da Gama do caminho marítimo para a Índia, mas o MPC só deu início ao levantamento arqueológico e à escavação em 2013. Desde então, foram realizadas mais duas escavações em 2014 e 2015, com a recuperação de mais de 2800 artefactos. O projeto foi gerido conjuntamente pelo MPC e por David L. Mearns da BWR, tendo-se respeitado rigorosamente a Convenção da UNESCO paraa Proteção doPatrimónioCultural Subaquático de 2001.

Os principais artefactos, que permitiram identificar o local do naufrágio como sendo a Nau Esmeralda de Vicente Sodré, incluem:

  • Um disco importante de liga de cobre, com o brasão real português, e uma esfera armilar, um emblema pessoal de D. Manuel I.
  • Um sino de bronze, com uma inscrição que sugere que o navio data de 1498.
  • Cruzados de ouro, cunhados em Lisboa entre 1495 e 1501.
  • Uma moeda de prata extraordinariamente rara, chamada Índio, que D. Manuel I mandou fazer especificamente para o comércio com a Índia.  A extrema raridade do Índio (só se conhece um outro exemplar no mundo inteiro) é tal, que possui o estatuto lendário da moeda "perdida" ou "fantasma" de D. Manuel I.

Sua Excelência Hassan Al Lawati, consultor do Ministro de Assuntos Patrimoniais, comentou: "Este projeto é considerado como o primeiro projeto de arqueologia subaquática realizado em Omã e na região. Por esta razão, o Ministério assumiu uma abordagem proativa para garantir a realização eficiente do projeto. Para tal, solicitámos a colaboração de peritos em arqueologia subaquática e respeitámos regulamentos interacionais, como por exemplo a convenção da UNESCO de 2001. Agradecemos os esforços conjuntos das entidades e dos institutos locais e internacionais que garantiram o enorme sucesso deste projeto."

"Este projeto é diferente da maior parte dos projetos arqueológicos marítimos porque nos propusemos a descobrir especificamente o local do naufrágio do navio do comandante Sodré, recorrendo ao registo de um sobrevivente e a outros registos históricos, devido à sua antiguidade e ao potencial de novas descobertas.  É exatamente por isto que é extremamente gratificante ver os frutos desta estratégia, com revelações muito interessantes, apesar de estarmos numa fase relativamente inicial do levantamento de artefactos," declarou David L. Mearns, diretor do projeto.

A imprensa registada pode transferir imagens e vídeos de alta resolução em: http://esmeraldashipwreck.com/press/ 

Blue Water Recoveries Ltd
David L. Mearns
Tel:  +44-(0)1730-858-114
Telemóvel:  +44-(0)7785-306-707
E-mail: david@bluewater.uk.com

 


FONTE Oman’s Ministry of Heritage & Culture (MHC) and Blue Water Recoveries Ltd