Teste Internacional de Retirada de Ciclosporina Apresente Redução de Incidência de Cancros em Doentes Transplantados que Tomam o Sirolimus

14 nov, 2005, 13:43 GMT De Medical University of Vienna

FILADELFIA, November 14 /PRNewswire/ -- Dados de um estudo internacional em multi-centros apresentado hoje num encontro da Sociedade Americana de Nefrologia revelou que a incidência de cancros de pele e não de pele é significativamente reduzida cinco anos após o transplante de rim em doentes que recebem a terapia de sirolimus (Rapamune) após uma retirada precoce de ciclosporina. Esta análise faz parte do maior estudo aleatório, realizado até hoje, sobre retirada da ciclosporina, o estudo Rapamune Maintenance Regímen (RMR).

<<A malignidade tornou-se uma das principais causas da mortalidade em transplantados de longo prazo e em que as terapias de imunossupressão foram consideradas a causa provável. Temos de aprender como responder a este problema>>, disse o Dr. Rainer Oberbauer, Professor de Medicina, associado da Universidade de Medicina de Viena, Áustria, um dos principais investigadores do estudo. <<Um dos objectivos do estudo do RMR é ajudar-nos a delinear estratégias que possam reduzir a incidência da doença maligna nesta população.>>

Comparada com a população dos E.U.A., ao fim de três anos de transplantação de rim, os doentes têm cerca de 90 mais risco de cancros de pele não-melanoma e seis vezes mais risco de melanomas.

O sirolimus é o primeiro de um novo tipo de imunossupressores que, ao contrário da ciclosporina, revelou inibir cancros em modelos experimentais. Publicações recentes mostraram que esta propriedade pode alargar-se a seres humanos receptores de transplantes. Um estudo retrospectivo da base de dados da UNOS (United Network for Organ Sharing) publicado em Outubro de 2005 mostrou que em 33 000 receptores de transplantes de rim, o risco de desenvolver qualquer malignidade pós-transplante foi significativamente reduzida em doentes que receberam tratamento de manutenção de manutenção com imunossupressores com inibidores de mTOR comparados com os que receberam os inibidores tradicionais de calcineurina.

Descobertas do Estudo RMR

No estudo RMR, quatrocentos e trinta doentes da Europa, Austrália e Canadá foram escolhidos aleatoriamente após três meses de transplante de rim, para prosseguirem com a terapia de sirolimus combinada com a ciclosporina ou ser-lhes retirada a ciclosporina. Foram analisados todos os dados de cancros de pele e não de pele ao longo de cinco anos.

O tempo de desenvolvimento do primeiro carcinoma de pele foi retardado uma média de 53 meses e o risco relativo de carcinoma de pele foi reduzido em 65% em doentes que estavam no regime de manutenção com Rapamune. Ao fim de cinco anos, 18 doentes que tomavam Rapamune e ciclosporina desenvolveram cancros não de pele em comparação com oito doentes a quem a ciclosporina tinha sido retirada.

Esta análise foi uma de uma série de revisões de dados efectuadas pelo estudo RMR. Outras análises mostraram que é possível obter uma melhoria do funcionamento dos rins e uma sobrevivência significativamente maior através da retirada da ciclosporina.

O estudo RMS foi apoiado por um donativo da Wyeth.

FONTE Medical University of Vienna