Vilnius, a Nova Capital Avant-Garde da Lituânia: Novo Centro de Arte Centrado na Obra de Jonas Mekas e George Maciunas

14 abr, 2007, 02:02 BST De Maya Stendhal Gallery

NOVA IORQUE, April 14 /PRNewswire/ --

A Câmara Municipal de Vilnius, na Lituânia, criou o Jonas Mekas Visual Arts Center a 19 de Fevereiro. O novo centro irá apresentar colecções de autoria de Jonas Mekas, o cineasta avant-garde de renome internacional, e de George Maciunas (1931-1978), o empresário/criador de Fluxus, um movimento de arte muito importante da segunda metade do século XX.

"A cidade de Nova Iorque sempre foi o lar do avant-garde e duas das suas figuras mais influentes foram lituanas. A importância internacional do mundo Fluxus que estas figuras criaram irá dar o ímpeto que Vilnius necessita para se tornar no novo centro mundial do avant-garde," afirmou o prefeito, Arturas Zuokas.

O prefeito Zuokas realçou que Vilnius foi declarada uma Capital Europeia da Cultura para 2009 e a criação Jonas Mekas Visual Arts Center é o primeiro passo na preparação do monumental papel que a cidade irá desempenhar. Jonas Mekas, cineasta de renome e inventor do cinema diarista, continua a preservar uma memória colectiva onde a vida e a arte são inseparáveis. Mekas chegou à cidade de Nova Iorque em 1949 e rapidamente se transformou numa figura proeminente entre o panorama artístico da cidade. Fundou os Anthology Film Archives, a Film-Makers' Cooperative, a revista Film Culture, e escreveu críticas de cinema para a Village Voice entre 1958 até 1978. As expansões de Mekas sobre as qualidades da intimidade, espontaneidade e selectividade suprema são concebidas através dos seus discursos distintivos do tempo como algo normal. Os filmes centram-se em amigos e colaboradores como, por exemplo, Hans Richter e Andy Warhol, para revelar retratos profundamente íntimos. Mekas extrai magistralmente esses retratos de entre milhares de horas de filmagens, dando origem a interpretações de vida experimentada e de vida recordada.

O artista George Maciunas foi o fundador do movimento internacional Fluxus na década de 1960. O movimento Fluxus afastou-se das fronteiras da arte e da não-arte através de visões de colaboração artística em música, actuação, artes visuais e literatura. Podem seguir-se as suas origens até à utilização de arte para além da pintura por parte de Marcel Duchamp e da música experimental de John Cage. Os artistas procuravam tecer os seus esforços nas malhas da sociedade, dissipando assim qualquer distinção entre arte e não-arte, e entre a arte e a vida. A ideologia rebelde e a constituição multicultural do movimento Fluxus converteu-o numa das filosofias mais influentes da arte moderna. Louise Bourgeois, Vytautas Landsbergis, Shigeko Kubota, Ken Friedman, Jon Hendricks, Larry Miller e Peter Moore pertenceram todos à família Fluxus.

O Jonas Mekas Visual Arts Center irá também actuar como instituição líder de investigação e educação, onde eruditos e estudantes experimentam directamente os trabalhos mais inovadores da história do cinema avant-garde e da arte Fluxus. Entre as suas principais áreas de interesse encontra-se a criação de um extenso arquivo de filme que inclui todo o material relacionado com o cinema avant-garde e uma completa cinemateca. Encontra-se em curso um programa de aquisições ambicioso com vista à criação de uma colecção que represente o lugar significativo do movimento Fluxus na história da arte. O centro também prevê a construção de um Instituto de Investigação do movimento Fluxus com recursos e programas orientados para o apoio de discussões progressivas no âmbito da arte Fluxus. Através das suas actividades, o centro antevê um futuro no qual a Lituânia é reconhecida internacionalmente pelo seu apoio às artes visuais.

O Jonas Mekas Visual Arts Center obteve o apoio de conservadores e de museus de todo o mundo, incluindo Larry Kardish do Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, Jerome Sans do Centro Báltico de Arte Contemporânea de Londres, Harry Stendhal da Galeria Maya Stendhal em Nova Iorque, e de Dominique Paini do Centro Georges Pompidou em Paris.

FONTE Maya Stendhal Gallery