Relatório Histórico Calcula que Benefícios da Energia Fóssil Seriam Pelo Menos 50 Vezes Maiores do que os Custos Percebidos do Carbono

Benefícios superam os supostos custos numa faixa de 50 por 1 a 500 por 1

Jan 23, 2014, 11:36 ET from American Coalition for Clean Coal Electricity (ACCCE)

WASHINGTON, 23 de Janeiro de 2014 /PRNewswire/ -- Os benefícios para a sociedade da energia obtida com os combustíveis fósseis superam em muito os custos sociais do carbono (CSC) numa magnitude de 50 a 500 vezes, de acordo com um estudo‎ histórico divulgado hoje pela organização American Coalition for Clean Coal Electricity (ACCCE).

"É fato inquestionável que comunidades e nações do mundo inteiro têm se beneficiado da energia de combustíveis fósseis e que estes benefícios continuarão a se materializar em todo o globo por muitas gerações vindouras", disse o presidente e CEO da ACCCE, Mike Duncan. "A energia de base fóssil propiciou três revoluções industriais, inclusive a atual revolução tecnológica.  Além disso, ela contribuiu para aumentar a expectativa, melhorar a qualidade e elevar o padrão de vida de comunidades do mundo inteiro.  Só espero que os responsáveis pelas políticas públicas de todos os países entendam isto e promovam e aprovem políticas que deem continuidade ao uso responsável dos combustíveis fósseis – especialmente o carvão limpo."

De acordo com o estudo intitulado Custos Sociais do Carbono? Não, Benefícios Sociais do Carbono, nos últimos 250 anos, a expectativa mundial de vida mais do que duplicou e a renda aumentou 11 vezes, em grande parte devido ao aumento da produção e distribuição de energia, sendo que a maior parte desta energia é de base fóssil.  E, apesar do Grupo de Trabalho Conjunto Entre Agências Governamentais Federais dos EUA (em inglês, IWG) ter estimado o custo social do carbono (CSC) em $36/tonelada, na verdade, os benefícios reais do carbono para a sociedade – como sub-produto da produção de energia – é de 50 a 500 vezes superior ao custo percebido.

"Mesmo as estimativas mais conservadoras consideram o benefício social dos combustíveis à base de carbono 50 vezes superior ao seu alegado custo social", disse o Dr. Roger Bezdek, principal autor do relatório. "Além do mais, estes benefícios constituem fato comprovado, baseado em mais de dois séculos de dados empíricos e não em resumos teóricos baseados em pressupostos questionáveis, previsões dúbias e modelos falhos."

O relatório continua a informar que o carvão é a fonte de energia mundial de mais rápido crescimento, tendo aumentado tanto quanto todas as outras fontes de combustíveis combinadas.  Grande parte deste crescimento ocorre nas economias emergentes, que estão começando a se dar conta dos benefícios econômicos e sociais que o fornecimento confiável e econômico de eletricidade pode propiciar.  A expectativa é de que o carvão continuará a ser a matéria prima da geração de eletricidade em todo o globo por, no mínimo, as próximas três décadas.  Além disso, de acordo com o braço de estatística do Departamento de Energia dos EUA – a Administração de Informações de Energia – os combustíveis fósseis fornecerão de 75% a 80% da energia mundial no futuro previsível. 

É interessante lembrar como Bill Gates comentou, em sua carta anual, sobre a mobilidade em ascensão que vem ocorrendo em países de todo o mundo: "Estou tão otimista sobre isto que me disponho a fazer uma previsão. Até 2035, não haverá praticamente mais nenhum país pobre no mundo. (Quero dizer, de acordo com a nossa atual definição do que é país pobre.)"

"Os combustíveis fósseis têm fornecido a energia necessária para melhorar o rendimento agrícola, expandir a manufatura e os negócios, oferecer água potável às comunidades e alimentar os servidores de dados e até a Nuvem", disse o Sr. Duncan.  "Só podemos esperar que a evidência que existe quanto aos benefícios dos combustíveis fósseis, inclusive o carvão limpo, contribua com maior bom senso ao processo regulatório não só aqui nos EUA, mas também no exterior."

Adicionalmente, a indústria do carvão limpo está trabalhando para garantir que a energia produzida seja a mais limpa possível.  A indústria já investiu $130 bilhões em tecnologias de carvão limpo que, por sua vez, já reduziram as emissões em cerca de 90% nos últimos quarenta anos.

FONTE  American Coalition for Clean Coal Electricity (ACCCE)

FONTE American Coalition for Clean Coal Electricity (ACCCE)

SOURCE American Coalition for Clean Coal Electricity (ACCCE)