Gran Colombia Gold anuncia resultados do primeiro trimestre 2013, incluindo economias das iniciativas de redução de custos em curso, e apresenta resultados da perfuração de alto teor do seu Projeto Segovia

TORONTO, 17 de maio de 2013 /PRNewswire/ -- A Gran Colombia Gold Corp. (TSX: GCM) anunciou hoje a publicação de suas declarações financeiras consolidadas condensadas não auditadas e a análise e discussão da administração (MD&A, sigla em inglês) que as acompanham, para o primeiro trimestre de 2013, e os resultados de suas atuais explorações em seu Projeto Segovia. Todos os dados financeiros contidos aqui são expressos em dólares dos EUA a menos que indicado de outra forma.

Destaques do primeiro trimestre de 2013

  • Produção total de 24.350 onças de ouro no primeiro trimestre de 2013, uma alta de 10% em relação ao quarto trimestre de 2012, gerado por um aumento de 13% nas Operações Segovia. As atividades de moagem na planta Maria Dama, nas Operações Segovia, estabilizaram em 2013, com a moagem média de mais de 1.000 tpd desde o início de março. A empresa permanece na meta de produzir um total de 110.000 onças de ouro em 2013.
  • Receitas de US$37,6 milhões, no primeiro trimestre de 2013, refletiram as vendas de 22.289 onças de ouro, a um preço médio realizado de US$1.639 por onça, e 35.069 onças de prata, a um preço médio realizado de US$30 per onça.
  • Em janeiro de 2013, a administração embarcou num exame abrangente de suas operações para identificar e implementar economias de custos anualizadas de US$12 milhões. Este programa resultou em US$850.000 mensalmente poupados, a partir de fevereiro 2013, com aproximadamente US$700.000 diretamente relacionados aos custos operacionais nas Operações Segovia, e no equilíbrio dos gastos gerais e administrativos (G&A, sigla em inglês). Em maio de 2013, a empresa está implementando mais ações que reduzirão os custos operacionais mensais em mais US$500.000, em Segovia, levando as economias de custos anualizadas, a partir de junho de 2013, para US$16,2 milhões, uma melhora de 35% em comparação às metas anteriores.  
  • Os custos totais em espécie ficaram em média em US$1.281 por onça de ouro no primeiro trimestre de 2013, uma melhoria significativa quanto aos US$1.534 por onça de ouro do quarto trimestre de 2012. Como resultado da redução de custos alcançada e do aumento na produção de ouro, os custos em espécie de Segovia diminuíram para uma média de US$1.315 por onça no primeiro trimestre de 2013 e para US$1.164 por onça, no mês de março.
  • Os custos globais de manutenção chegaram a US$1.545 por onça no primeiro trimestre de 2013 e espera-se uma tendência de queda ao longo do resto do ano, para uma média anual esperada para 2013 de US$1.280 por onça. A economia de custos adicional em implementação em maio e a continuidade do aumento na produção de ouro de Segovia, resultante do aumento na gradação na segunda metade de 2013, terão ambas um impacto positivo nos custos totais em espécie e globais de manutenção. Além disso, a queda nos preços do ouro, desde abril de 2013, continuará a reduzir os custos totais em espécie e os custos globais de manutenção, uma vez que aproximadamente 56 % da produção de Segovia são obtidos com atividades de mineração artesanal, em que aproximadamente 80% dos custos de produção estão diretamente atrelados ao preço do ouro.  
  • A G&A caiu para US$3,6 milhões no primeiro trimestre de 2013. Em fevereiro de 2013, a empresa tomou medidas para cortar US$150.000 em gastos mensais, uma contribuição significativa para a esperada redução de G&A, de $16,5 milhões, para um patamar de US$14,5 milhões em 2013.
  • Exploração: a empresa tem o prazer de anunciar resultados significativos do atual programa de exploração de 20.000 metros, em seu Projeto Segovia, com vários interceptos apresentando ouro visível e gradações de mais de uma onça de ouro por tonelada de ore.  Estes interceptos da perfuração incluem 0,42 metros gradando 663,32 gramas por tonelada (g/t), 0,30 metros gradando 340,84 g/t, 0,30 metros gradando 172,67 g/t, 0,50 metros gradando 101,36 g/t e 2,60 metros gradando 42,31 g/t.  A empresa espera finalizar uma estimativa atualizada de recursos do tipo NI 43-101 para Segovia no meado de 2013, seguindo à conclusão da campanha de perfuração iniciada no fim do ano passado para atualizar e expandir seus recursos em Segovia.

"Acreditamos que as bases do mercado global permanecem estáveis para apoiar um forte mercado para o ouro, mas tomamos medidas significativas para ajustar nosso modelo de negócios 2013, para permitir que a empresa atinja suas metas de geração de caixa no ambiente de preços atual e continuaremos a identificar oportunidades para continuar reduzindo custos", disse Serafino Iacono, copresidente executivo da Gran Colombia.  Comentando os resultados da perfuração no Projeto Segovia da empresa, ele acrescentou, "Estamos muito entusiasmados com a exploração em curso em Segovia, à medida que continuamos a ver resultados de perfuração excepcionais, incluindo vários interceptos com ouro visível e uma seção de 0,4 metros com teores de até 20 onças de ouro por tonelada de ore.".

Resumo operacional e financeiro

Um resumo dos resultados financeiros e operacionais para o primeiro trimestre de 2013 é como se segue:



  Primeiro Trimestre


2013

2012

Dados operacionais:

Ouro produzido (onças)

24.350

26.260

Ouro vendido (onças)

22.289

24.814

Preço médio realizado do ouro (US$/oz vendida)

US$ 1.639

US$ 1.676

Custos totais em espécie (US$/oz vendida) (1)

1.281

1.199

Custos de manutenção (US$/oz vendida) (2)

1.545

N/A

Dados financeiros:  (x US$1.000, exceto por volume de ações)



Receitas totais

US$ 37.621

US$ 42.678

Margem bruta (3)

4.140

7.921

Renda líquida atribuível a acionistas

9.545

1.128

Renda básica e diluída por ação

0,02

0,00

Espécie e equivalentes em espécie

1.993

5.113

Caixa em depósito, atual e não-atual (4)

77.264

2,400

Débito total, incluindo porção atual

172.091

83.168

(1)

"Custos totais em espécie" são apresentados em uma base por onça vendida e representam médias consolidadas para a empresa de ambas as Operações Segovia e Mina Subterrânea de Marmato. Ver "Medidas Financeiras Adicionais" na MD&A.

(2)

Para 2013, em conjunto com uma iniciativa não-GAAP tomada no âmbito da indústria da mineração de ouro, a empresa adotou  uma medida de desempenho  "custos globais de manutenção" não-GAAP que , acredita, define mais integralmente os custos totais associados com a produção de ouro; entretanto, esta medida de desempenho não possui nenhum significado padronizado. Logo, ela visa fornecer informações adicionais e não deveria ser considerada isoladamente ou como uma substituta para medidas de desempenho preparadas de acordo com GAAP. Consulte a MD&A para uma reconciliação de todos os custos globais de manutenção.

(3)

"Margem bruta" representa o total da receita, liquido dos custos operacionais, taxas de produção e depreciação, exaustão e amortização.

(4)

2013 inclui US$74,6 milhões separados para pagar custos de capital da expansão Segovia e juros sobre as Gold Notes até outubro de 2014.

Atualização das Operações Segovia

A produção de ouro das Operações Segovia cresceu 13% desde o quarto trimestre de 2012. Com a resolução dos problemas de interrupção de energia que adversamente impactaram o quarto trimestre de 2012, a empresa com êxito aumentou as toneladas processadas em aproximadamente 8%, em relação ao trimestre anterior, para uma média de 918 tpd para o primeiro trimestre de 2013. No mês de março de 2013, o ritmo médio foi de 1.033 tpd. No primeiro trimestre de 2013, embora os teores iniciais das Operações Segovia fossem similares aos do trimestre anterior, sua produção de ouro também se beneficiou de uma melhora de 83% na recuperação do moinho, contra 76% no trimestre anterior. O trabalho de desenvolvimento da mina continua nas Operações Segovia e a empresa espera que os teores iniciais comecem a apresentar melhoras até o final do segundo trimestre de 2013.

A empresa iniciou uma campanha de perfuração de 80 furos e 20.000 metros em outubro de 2012 para atualizar e expandir os recursos minerais em Segovia. Com a conclusão de 72 furos e 18.000 metros, o programa já está 88% completo.  A empresa espera concluir a perfuração no segundo trimestre de 2013, o que levará a uma estimativa de recursos NI 43-101 atualizada para Segovia, a ser anunciada no meio do ano.  

Resultados significativos (maiores do que 6,0 g/t) estão resumidos abaixo:

Furo

De (m)

Para (m)

Extensão (m)

Ouro  (g/t)

Prata (g/t)

Veio

DS-0087

382,15

383,80

1,65

7,84

4,0

Providencia

incl.

382,15

382,80

0,65

11,37

7,8


DS-0088

371,75

372,18

0,43

7,63

28,1

Providencia HW

DS-0089

27,50

27,93

0,43

7,50

11,9

Granodiorite

DS-0089

453,54

454,26

0,72

396,07

270,8

Providencia

incl.

453,54

453,96

0,42

663,32

424,3


e

453,96

454,26

0,30

21,92

55,9


DS-0089

455,00

456,57

1,57

40,16

22,0

Providencia FW 1

incl.

455,00

455,30

0,30

172,67

89,4


e

455,30

456,00

0,70

11,90

6,9


DS-0089

464,00

464,40

0,40

6,45

3,9

Providencia FW 2

DS-0092A

110,42

110,80

0,38

16,21

11,8

Marmajito HW

DS-0093

174,10

174,65

0,55

7,54

14,2

Sandra K Piso

DS-0093

222,85

223,15

0,30

8,84

7,8

Sandra K Piso FW1

DS-0096

174,72

175,15

0,43

9,06

39,7

Sandra K Techo

DS-0097

366,00

366,50

0,50

8,69

9,9

Providencia

DS-0100

130,46

131,06

0,60

43,79

39,1

Sandra K Techo

DS-0101

71,70

72,20

0,50

15,93

12,4

Silencio Sur 1

DS-0102

210,06

210,54

0,48

12,31

13,4

Chumeca

DS-0103

125,52

125,95

0,43

13,65

21,1

Sandra K Techo

DS-0106

389,00

389,44

0,44

6,37

5,8

Providencia?

DS-0107

131,47

131,80

0,33

59,07

124,9

Sandra K Techo

DS-0113

195,65

196,22

0,57

18,69

16,6

Chumeca

DS-0118

179,37

179,92

0,55

6,25

16,4

Sandra K Techo

DS-0122

89,35

89,80

0,45

10,01

14,7

El Silencio 1?

DS-0126

484,70

487,30

2,60

42,31

24,2

Providencia

incl.

484,70

485,05

0,35

60,86

36,0


e

485,05

486,05

1,00

44,05

22,5


e

486,05

487,30

1,25

35,72

22,2


DS-0126

490,12

491,00

0,88

10,84

6,9

Providencia

DS-0126

493,10

493,60

0,50

9,38

12,3

Providencia FW1

DS-0129A

142,28

142,67

0,39

8,48

8,2

Poma Rosa HW1

DS-0130

201,70

202,00

0,30

340,84

459,9

Sandra K Techo

DS-0132

58,40

58,98

0,58

6,11

41,5

Las Aves

DS-0134

203,56

203,95

0,39

7,23

9,7

Sandra K Techo

DS-0139

235,32

235,72

0,40

15,00

12,1

Sandra K Techo

DS-0139

250,70

251,30

0,60

9,38

30,5


DS-0141

238,20

238,70

0,50

101,36

236,7

Sandra K Techo

DS-0145

252,37

253,21

0,84

16,37

60,2

Sandra K Techo

incl.

252,90

253,21

0,31

30,67

31,3

Sandra K Techo

DS-0146

123,12

123,42

0,30

19,78

25,2

Carla

DS-0148

193,98

194,75

0,77

32,22

33,9

Sandra K Techo

incl.

193,98

194,29

0,31

56,10

47,5


e

194,29

194,75

0,46

16,13

24,8


*

Amostras de teor acima de 6,0 g/t Au registradas. Os teores são para amostras individuais e para compósitos pesados no comprimento, calculados com um teor de corte de 5,0 g/t Au e sem diluição interna. O comprimento é a amostra furo descendente ou extensão do compósito e não necessariamente a real largura do veio. Estima-se que as larguras verdadeiras estejam entre 50% e100% do comprimento furo descendente. Os teores não estão cortados e os intervalos não diluídos para uma largura mínima de mineração. Abreviações: FW = veio da lapa, HW = veio da capa.

Projeto Marmato

No subterrâneo de Marmato, as operações permaneceram estáveis no primeiro trimestre de 2013, com moagem de 679 tpd a um teor inicial médio de 3,0 g/t e uma recuperação de moinho de 88,9%, resultando na produção de 5.298 onças de ouro para o primeiro trimestre. Em 2013, a produção esperada de ouro é de 20.000 onças, contra 21.717 onças produzidas no ano passado, devido ao impacto, na produção, uma modernização do triturador, a ser concluída no segundo trimestre de 2013.

O foco de curto prazo da empresa no Projeto Marmato é concluir e publicar o estudo de viabilidade para modernização e expansão da sua atual operação subterrânea.  A empresa está fazendo progressos com a Roscoe Postle and Associates e outros consultores técnicos e espera estar em posição de publicar o estudo de viabilidade subterrânea e um NI 43-101 de sustentação no meado de 2013.

Panorama

A empresa está focada na redução dos custos e na limitação de investimentos de capital para dar suporte a um esperado patamar de produção de 110.000 onças de ouro em 2013.  A empresa continua na expectativa de que a produção em suas Operações Segovia chegue a 90.000 onças de ouro em 2013 e a produção da mina subterrânea de Marmato ao total de 20.000 onças de ouro. Até a presente data, a administração identificou e implementou economias de custos anualizadas de US$16 milhões, uma melhora de 35% sobre sua meta inicial estabelecida no início do ano e necessária  devido à recente queda nos preços do ouro, para manter a esperada geração de caixa, proveniente das  operações da empresa em 2013.

Em 2013, a empresa adotou uma medida "custo global de manutenção" que ela acredita mais completamente definir os custos totais associados com a produção de ouro.  Custos globais de manutenção incluem custos em espécie (em uma base de crédito derivado), G&A, capital de manutenção e custos de avaliação e exploração. Já que a medida busca refletir o custo total da produção de ouro das atuais operações, o capital para novos projetos não está incluído no cálculo.  Para 2013, à luz do atual ambiente do preço do ouro e identificadas economias graduais de custos, postas em prática a partir de junho, a empresa corrigiu sua previsão de custos globais de manutenção para o ano, para US$1.280 por onça, uma melhoria quanto aos anteriormente anunciados US$1.380 por onça. Esta nova previsão, baseada nos resultados reais do primeiro trimestre e nos atuais preços do ouro, inclui o custo em espécie de aproximadamente de US$1.070 per onça, G&A de US$130 por onça, capital de manutenção de US$40 por onça e custos de avaliação e exploração de US$40 por onça. A previsão do custo total em espécie para o ano foi reduzida de US$1.170 por onça para aproximadamente US$1.070 por onça, refletindo a economia gradual de custos em implantação a partir de junho de 2013 e o impacto dos preços mais baixos do ouro nos custos das operações de mineração artesanal em Segovia e taxas de produção, ambos atrelados ao preço à vista do ouro e, portanto, fornecem uma cobertura natural ao movimento do preço do ouro.  

A previsão para as despesas de capital de manutenção para 2013 permanece em aproximadamente US$4,5 milhões. Essas despesas serão financiadas internamente com saldos de caixa sem restrição e fluxo de caixa operacional e focará no capital de manutenção das duas minas em operação, incluindo a conclusão da modernização do moinho de  Maria Dama, o programa ambiental em Segovia e uma modernização do triturador na operação de mineração subterrânea de  Marmato. US$4.5 milhões adicionais devem ser gastos em várias atividades em curso na área do Projeto Marmato.

Despesas de capital, exploração e desenvolvimento de mina em apoio à expansão das Operações Segovia (também referidas como o "Projeto Pampa Verde") estão sendo financiadas separadamente com receitas das Gold Notes e não estão incluídas nos custos de manutenção global em espécie.

Webcast

Para um lembrete, a empresa promoverá uma conferência telefônica e webcast na quarta-feira, 15 de maio, às 9:30 hora leste (8:30 da manhã, hora de Bogotá) para discutir os resultados e fornecer uma atualização operacional.

Detalhes do Webcast e chamadas são como se segue:

Link do evento ao vivo:  

http://www.media-server.com/m/p/fr4zrjj7

Toronto & Internacional: 

1 (847) 585-4405

América do Norte chamada gratuita: 

1 (888) 771-4371

Colômbia chamada gratuita:  

01 800 9 156 924

ID da conferência:  

34844128

Uma reprise do webcast estará disponível no www.grancolombiagold.com de 15 de maio de 2013 até 30 de junho de 2013.

Pessoa qualificada

Stewart D. Redwood, geólogo consultor sênior para a empresa, é uma pessoa qualificada, como definido pelo Instrumento Nacional NI 43-101 - Standards of Disclosure for Mineral Projects e preparou ou corrigiu a montagem das informações técnicas e científicas neste comunicado de notícias com respeito aos resultados de perfuração do Projeto Segovia. O Dr. Redwood verificou os dados revelados neste comunicado de notícias, incluindo as amostragens, dados analíticos e de testes sustentando as informações contidas neste comunicado de notícias. A verificação incluiu um exame das amostras de controle e garantia de qualidade e o exame dos bancos de dados das análises aplicáveis e seus certificados.

Garantia e controle de qualidade

No caso dos resultados de perfuração aqui referidos, as amostras foram preparadas pela SGS Colombia S.A. em sua unidade de preparação em Medellin, Colombia, e foram testadas pela SGS del Perú S.A.C. no laboratório da empresa em El Callao, Peru.  Ambas as empresas são parte do  grupo SGS (certificação ISO 9001:2008). O ouro foi analisado a fogo com acabamento de espectrofotômetro de absorção atômica (AAS, sigla em inglês).  As amostras acima de 5 g/t de ouro foram reanalisadas a fogo com acabamento gravimétrico.  A prata foi analisada por digestão multi-ácida com acabamento AAS, ou por digestão aqua regia e acabamento de espectrofotômetro de emissão de plasma (ICP-ES) indutivamente acoplado.  Amostras cegas, padrão e duplicadas foram rotineiramente inseridas para garantia e controle de qualidade.

Sobre a Gran Colombia Gold

A Gran Colombia é uma empresa canadense de exploração, desenvolvimento e produção de ouro e prata com seu foco primário na Colômbia. A Gran Colombia é atualmente a maior produtora subterrânea de ouro e prata da Colômbia, com várias minas subterrâneas em operação, em suas operações Segovia e Marmato.  Além disso, a Gran Colombia também está avançando um projeto para desenvolver uma mina de ouro e prata de larga escala, em suas operações Marmato

Informações adicionais sobre a Gran Colombia Gold podem ser encontradas no website da empresa em www.grancolombiagold.com e por meio do exame da página da empresa no SEDAR em www.sedar.com.

Este comunicado de noticias contem "informações de caráter estimativo", que podem incluir, mas não estão limitadas a, afirmações com respeito ao futuro desempenho financeiro ou operacional da empresa e seus projetos e, especificamente, afirmações com respeito a crescimento antecipado da produção anual de ouro e redução de custos financeiros. Com frequência, mas não sempre, informações estimativas podem ser identificadas pelo uso de palavras como "planeja", "espera", "é esperado", "orçamento", "programado", "estima", "prevê", "pretende", "antecipa", ou "acredita" ou variações (incluindo variações negativas) de tais palavras e expressões, ou afirmam que certas ações - eventos ou resultados "devem", "deveriam", "podem", "poderiam" ou "serão" tomadas - ocorrer ou ser alcançados. Declarações de caráter estimativo envolvem riscos conhecidos e desconhecidos, incertezas e outros fatores que podem levar os resultados de fato, desempenho ou realizações da Gran Colombia a serem materialmente diferentes de quaisquer resultados futuros, desempenho ou realizações, expressos ou implícitos nestas declarações. Fatores que poderiam levar os resultados de fato a diferirem daqueles antecipados nestas declarações prospectivas estão descritas sobre o capítulo "Fatores Riscos" no informativo anual da empresa datado de 26 de março de 2013, que está disponível para visualização no SEDAR www.sedar.com. Afirmações do tipo aqui contidas estão de acordo com a data deste comunicado e a Gran Colombia rejeita, de outra forma que não a exigida pela lei, qualquer obrigação de atualizar qualquer declaração estimativa, seja ela resultado de uma nova informação, resultados, eventos futuros, circunstâncias ou se as estimativas ou opiniões da administração vierem a ser modificadas ou de qualquer outra maneira. Não pode haver garantias de que declarações de caráter estimativo serão precisas, uma vez que os resultados reais e eventos futuros poderiam diferir materialmente daqueles antecipados neste tipo de afirmação. Neste sentido, o leitor está avisado para não depositar excessiva confiança em afirmações desta natureza.

Para mais informações:

Roy MacDonald
Vice-presidente de Relações com Investidores
investorrelations@grancolombiagold.com
(416) 360-4653

(GCM. GCM.WT.)

FONTE  Gran Colombia Gold Corp.

FONTE Gran Colombia Gold Corp.

SOURCE Gran Colombia Gold Corp.



RELATED LINKS
http://www.grancolombiagold.com
http://www.media-server.com/m/p/fr4zrjj7

Custom Packages

Browse our custom packages or build your own to meet your unique communications needs.

Start today.

 

PR Newswire Membership

Fill out a PR Newswire membership form or contact us at (888) 776-0942.

Learn about PR Newswire services

Request more information about PR Newswire products and services or call us at (888) 776-0942.